“Ao que lhe respondeu Jesus: Se podes! Tudo é possível ao que crê. E imediatamente o pai do menino exclamou [com lágrimas]: Eu creio! Ajuda-me na minha falta de fé!”

Marcos 9:23-24.

Desesperado, um homem cujo filho estava possuído por um espírito maligno, levou o menino aos discípulos de Jesus para que pudessem libertá-lo. Infelizmente, depois de muitas tentativas, os discípulos não conseguiram expulsar o demônio do garoto. Jesus, ao aproximar-se e perceber que os discípulos fracassaram na missão, pediu para que o trouxessem o menino a Ele. O homem chega até Jesus e clama para que Ele expulse o espírito maligno de seu filho, se Ele pudesse. Jesus, brandamente, o responde; se você crer, todas as coisas são possíveis, ao que crê. O homem, prontamente, declara; Senhor, eu creio! Ajuda em minha incredulidade!

Aparentemente, vê-se, neste contexto uma sutil contradição por parte desse homem, pois, ele diz acreditar e não acreditar ao mesmo tempo, ou, talvez ele tenha pensado que tinha fé e, depois viu que não a tinha mais. Com efeito, podemos afirmar que, não há contradição alguma. Aquele homem levou o seu filho até Jesus, porque ele ouvira falar de Jesus e dos milagres que Ele realizava. Portanto, conduzir o seu filho até a presença de Cristo, foi um ato de fé. Mas, então por que ele diz “Senhor ajuda-me em minha incredulidade”?

A condição deste homem, ao pedir ajuda ao Senhor a respeito de sua incredulidade, é um reflexo da condição de muitos entre nós. Cremos em Deus, na Sua Palavra, nas Suas promessas e, essa crença em si mesma, é uma afirmação de fé, todavia, quando se trata de questões pessoais, internas e profundamente relacionadas a nós, passamos a questionar a veracidade da Palavra e das promessas de Deus ao nosso respeito. Áreas e aspectos de nossas vidas que, estão passando por períodos tão conflitantes que, consideramos pouco provável que o Senhor atente, ou se importe com essas causas. A crença em Deus e na Sua Palavra é fundamental, porém, a fé no agir específico de Deus em áreas pessoais e intransferíveis das nossas vidas é de igual valor. Temos fé que a Palavra de Deus pode ser plenamente aplicada às situações pertinentes à nossas vidas?

“Crês, tu, que Deus é um só? Fazes bem. Até os demônios creem e tremem.” Tiago 2:19.

Quando escutamos ou lemos versículos como; “e pelas suas pisaduras fomos sarados.” (Isaías 53:5), ou, “perdoando-vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou.” (Efésios 4:32), ou então, “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus” (Romanos 8:28) — podemos pensar — será que estas Palavras são aplicáveis na minha vida?

Uma fé abrangente é, sem dúvidas, maravilhosa. No entanto, ter uma fé pessoal é sumariamente necessária, para todo aquele que quer desfrutar do agir de Deus em cada área, situação ou causa relacionada à sua vida pessoal. Quando se encontrar em meio aos conflitos internos, lutando para aplicar a Palavra de Deus nas questões pessoais, clame ao Senhor e peça para o ajude em sua incredulidade.

Declaração

Pai Celestial, hoje, declaro que creio na Tua Palavra para minha vida e família. Por favor, ajuda-me na minha incredulidade enquanto luto com a crença. Ensina-me a permanecer sempre firme em Tua Palavra, independentemente dos sintomas e das condições físicas, em nome de Jesus, amém!